Destaques e Notícias

Prorrogado o prazo para submissão de artigos ao número especial da Revista Ornithologia - Aves Costeriras e Marinhas

O grupo das aves marinhas e costeiras é composto por mais de 350 espécies, as quais estão distribuídas em todos os oceanos e em praticamente todas as latitudes. O sucesso de ocupação de um ambiente hostil como o mar – e suas interfaces com o ambiente terrestre – deve-se ao desenvolvimento de características peculiares, sendo, muitas delas, inéditas na natureza. Por conta da singularidade de histórias de vida e ampla distribuição geográfica, as aves marinhas e costeiras despertam curiosidade e interesse no mundo todo e são alvos de pesquisa por especialistas de diversas áreas.No Brasil, o interesse de pesquisa sobre as aves marinhas e costeiras é crescente, e uma boa quantidade de informação tem sido gerada nas últimas décadas através de monografias, dissertações, teses e artigos científicos. Além dos motivos citados acima, o interesse sobre as aves marinhas e costeiras no Brasil justifica-se pelos mais de 7.000 km de extensão de região litorânea, além dos 4,5 milhões de km2 que compõem a região conhecida por Amazônia Azul, na qual também estão inseridas as ilhas oceânicas. A ampla extensão territorial oferece diversos gradientes ambientais, indo da região tropical à subtropical, do ambiente nerítico ao pelágico, dos grandes manguezais aos extensos marismas, das praias arenosas aos costões rochosos, das ilhas fluviais aos arquipélagos estritamente oceânicos. Com isso, a diversidade de ecossistemas do ambiente marinho brasileiro oferece condições para a ocorrência de espécies representantes de todas as Ordens de aves marinhas e costeiras: Procellariiformes, Sphenisciformes, Phaethontiformes, Suliformes, Pelecaniformes e Charadriiformes.

Nesse contexto, a ORNITHOLOGIA – a revista científica do ICMBio/CEMAVE – anuncia um número especial sobre Aves Marinhas e Costeiras, visando divulgar amplamente trabalhos desenvolvidos com esse grupo no Brasil. Contribuições de todas as disciplinas são bem vindas, desde informações acerca de distribuição geográfica, passando por ecologia, saúde, e conservação. Manuscritos conectando disciplinas e experiências, destacando lacunas de conhecimento e levantando questões que precisam de atenção em pesquisas futuras são particularmente bem vindos.

Esse número temático tem como Editor Responsável o Pesquisador Guilherme Tavares Nunes, Doutor em Oceanografia pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG), professor adjunto de Ornitologia com ênfase em aves marinhas e costeiras, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), campus Litoral Norte.

O prazo para a submissão dos artigos foi prorrogado até o dia 30/09/2018.

Cinco motivos para publicar sua pesquisa no número especial de Aves Marinhas e Costeiras da ORNITHOLOGIA:

1. Resposta rápida: Checagem de formatação em até 3 dias úteis e primeira resposta para o autor em até 40 dias após a submissão.

2. Ampla divulgação da sua pesquisa: O número especial será amplamente divulgado entre ornitólogos de todo o Brasil através do mailing do CEMAVE, além de ser promovido nas redes sociais do ICMBIO e Ministério do Meio Ambiente.

3. Publicação gratuita e acesso aberto: A publicação do seu trabalho na ORNITHOLOGIA não possui custos para os autores. Além disso, o acesso e download são abertos, sem qualquer custo para o leitor.

4. Popularização da ciência brasileira: A possibilidade de submissão de manuscritos em português contribui para a ampliação da audiência, atingindo o público pouco familiarizado com a língua inglesa.

5. Contribuição para o conhecimento sobre as aves marinhas e costeiras: O número especial de Aves Marinhas e Costeiras é uma oportunidade única para divulgar sua pesquisa e contribuir para a conservação do grupo, o qual é o mais ameaçado de extinção entre toda a Classe Aves.

As instruções aos autores encontram-se disponíveis no endereço: http://ornithologia.cemave.gov.br.