foto: ICMBio

Conheça mais sobre o CEPNOR

foto: ICMBio

Conheça nossos Boletins Científicos

Leia Mais
  • Sexta-Feira

    Chuva

    32 °C

    25 °C

  • Sábado

    Chuva

    32 °C

    23 °C

Belém - PA

  • Quarta-Feira

    Pancadas de Chuva

    31 °C

    24 °C

  • Quinta-Feira

    Pancadas de Chuva

    30 °C

    24 °C


Artigo 03

HEXYLRESORCINOL COMO INIBIDOR DE MELANOSE E DECOMPOSIÇÃO DO ÓXIDO DE TRIMETILAMINA EM CAMARÃO SOB ESTOCAGEM EM GELO E CONGELADO.
Boletim Técnico Científico - Volume 01 - Numero 3
Resumo
A ocorrência de manchas pretas em camarão durante estocagem em gelo e congelada é um problema sério que tem resultado em grandes perdas comerciais para os produtores nacionais. O uso de sulfitos tem sido empregado para prevenir a melanose; no entanto, este composto pode comprometer a qualidade do produto. Neste estudo o uso de hexylresorcinol, um alternativo ao uso de sulfitos, foi avaliado. Foi demonstrado que o hexylresorcinol é eficiente na inibição da melanose em camarão-rosa, uma vez que baixos níveis na ocorrência de manchas pretas foram observados após 30 dias de estocagem. Além disso, o hexylresorcinol não favoreceu a formação de DMA e FA no músculo do camarão.
Abstract
The occurrence of melanosis, or blackspot, in shrimp during icing or frozen storage is a serious problem leading to considerable commercial losses for Brazilian producers. Sulfites have been used to prevent the occurrence of blackspot, but have also been known to compromise the quality of the product. The present study evaluates hexylresorcinol as an alternative to sulfites. After thirty days of storage Southern brown shrimp (Farfantepenaeus subtilis) treated with hexylresorcinol were shown to develop very little melanosis. Furthermore, hexylresorcinol did not favor the formation of DMA and FA in the muscle tissue of the shrimp.
Arquivos Visualize em PDF
Palavras-Chave camarão, estocagem, congelado