Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Aves - Coryphaspiza melanotis (Temminck, 1822) - Tico-tico-de-máscara-negra
Início do conteúdo da página

Aves - Coryphaspiza melanotis (Temminck, 1822) - Tico-tico-de-máscara-negra

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Aves
Aves
Passeriformes
Thraupidae
Coryphaspiza melanotis (Temminck, 1822)
Tico-tico-de-máscara-negra
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
EN
B2ab(ii,iii)
IN MMA 003/2003
Justificativa
Coryphaspiza melanotis ocorre na Bolívia, Paraguai, Argentina e centro-oeste, sudeste e norte do Brasil (Ilha de Marajó). A espécie ocupa exclusivamente áreas de campos limpos bem preservados, habitat muito alterado em toda sua distribuição. Há cinco subpopulações consideradas relevantes, todas em unidades de conservação. A área de ocupação, calculada com base nos registros atuais é de 284km2. Mesmo considerando-se a possibilidade de ocorrência da espécie em outras áreas protegidas para as quais não há registro atualmente, a área de ocupação não ultrapassará 500km2. A população encontra-se severamente fragmentada e há declínio continuado de área de ocorrência e de qualidade de habitat, devido à ocupação dos campos por atividades agropecuárias (inclusive criação de búfalo), uso de pesticidas, invasão por gramíneas exóticas, instalação de pequenas centrais hidrelétricas e fogo. Assim sendo, C. melanotis foi categorizada como Em Perigo (EN) B2ab(ii,iii).
Especialistas
Alessandro Pacheco Nunes, Alexander Charles Lees, Anamaria Achtschin Ferreira, Gustavo Bernardino Malacco, Iubatã Paula de Faria, Marcos Maldonado-Coelho, Miguel Ângelo Marini, Rochely Morandini, Rudi Ricardo Laps, Thiago Filadelfo Miranda, Túlio Dornas de Oliveira
Referências
1) Bencke, G.A.; Mauricio, G.N.; Develey, P.F. & Goerck J.M. 2006. Áreas importantes para a Conservação das aves no Brasil: Parte I - Estados do Domínio da Mata Atlântica. SAVE Brasil. 494p.
2) Faria, I.P. 2007. Registros de aves globalmente ameaçadas, raras e endêmicas para a região de Vicente Pires, Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 15(1): 117-122.
3) Grantsau, R.K.H. 2010. Guia completo para a identificação das aves do Brasil. Parte II. Vento Verde. 656p.
4) IUCN (International Union for Conservation of Nature and Natural Resources). 2012. IUCN Red List of Threatened Species. Versão 2012.1. www.iucnredlist.org (Acesso em 2/7/2012).
5) Machado, E. 2009. Coryphaspiza melanotis (Temminck, 1822), Passeriformes, Emberizidae, p.268. In: Bressan, P.M.; Kierulff, M.C.M. & Sugieda, A.M. (eds.). Fauna ameaçada de extinção no Estado de São Paulo: vertebrados. Fundação Parque Zoológico de São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente. 648p.
6) Minas Gerais. 2010. Deliberação Normativa COPAM nº 147 de 30 de abril de 2010. Aprova a lista de espécies ameaçadas de extinção da fauna do estado de Minas Gerais. Diário do Executivo - Minas Gerais, de 4 de maio de 2010.
7) Oliveira, A.C.; Kanegae, M.F.; Amaral, M.F.; Fávaro, F.L. 2010. Guia para Observação das Aves do Parque Nacional de Brasília. MMA/ICMBio. 157p.
8) Piacentini, V.Q.; Aleixo, A. & Straube, F.C. 2008. Coryphaspiza melanotis (Temminck, 1822), p.533-534. In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M.; Paglia, A.P. (orgs.). Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção no Brasil. Ministério do Meio Ambiente e Fundação Biodiversitas. v.2, 460p.
9) Rising, J.D. 2011. Family Emberizidae, p.428-683. In: del Hoyo, J.; Elliott, A. & Christie, D. Handbook of the birds of the world, Vol 16: Tanagers to New World Blackbirds. Lynx Edicions. 893p.
10) SEMA (Secretaria Estadual de Meio Ambiente do Pará). 2007. Lista de Espécies da Flora e da Fauna Ameaçadas no Estado do Pará - Resolução nº 054/2007. http://www.sema.pa.gov.br/interna.php?idconteudocoluna=2283 (Acesso em 6/2/2013).
11) Sick, H. 1997. Ornitologia brasileira. 3ª. Ed. Nova Fronteira. 912p.
12) Straube, F.C.; Urben-Filho, A. & Gatto, C. 2005. A avifauna do Parque Estadual do Cerrado (Jaguariaíva, Paraná) e a conservação do Cerrado em seu limite meridional de ocorrência. Atualidades Ornitológicas, 127: 29-50.
Fim do conteúdo da página