Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Aves - Lepidothrix iris (Schinz, 1851) - Cabeça-de-prata
Início do conteúdo da página

Aves - Lepidothrix iris (Schinz, 1851) - Cabeça-de-prata

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Aves
Aves
Passeriformes
Pipridae
Lepidothrix iris (Schinz, 1851)
Cabeça-de-prata
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
EN
A4c
Justificativa
Lepidothrix iris é endêmica do Brasil, com ocorrência restrita aos estados do Pará, Maranhão, Tocantins e Mato Grosso. Modelagens feitas para a Amazônia projetam uma perda de habitat para esta espécie entre 51 e 77% em 12 anos (três gerações). Estima-se que a perda de habitat reflita em uma perda populacional equivalente ou superior, considerando a sensibilidade da espécie a qualquer tipo de degradação ambiental. Assim sendo, infere-se que as perdas populacionais, considerando a janela temporal de três gerações no passado e futuro, serão superiores a 50%. Desta forma, L. iris foi categorizada como Em Perigo (EN) pelo critério A4c.
Especialistas
Alexander Charles Lees, Alexandre Luis Padovan Aleixo, Christian Borges Andretti, Edson Varga Lopes, Luciano Nicolas Naka, Luís Fábio Silveira, Luiz Augusto Macedo Mestre, Mário Cohn-Haft, Sérgio Henrique Borges, Sidnei de Melo Dantas, Thiago Orsi Laranjeiras, Túlio Dornas de Oliveira
Referências
1) Bandeira, R.S.; Rego, P.S.; Aleixo, A.; Schneider, H.; Sampaio, I. & Vallinoto, M. 2008. Lepidothrix vilasboasi (Sick, 1959): espécie válida? Uso de marcadores moleculares no estudo de uma ave amazônica, endêmica e ameaçada, p.148. In: 54º Congresso Brasileiro de Genética, Resumos.
2) Bird, J.P.; Buchanan, G.M.; Lees, A.C.; Clay, R.P.; Develey, P.F.; Yépez, I. & Butchart, S.H.M. 2012. Integrating spatially explicit habitat projections into extinction risk assessments: a reassessment of Amazonian avifauna incorporating projected deforestation. Diversity and Distributions, 18: 273-281.
3) BirdLife International. 2012. Species factsheet: Lepidothrix iris. www.birdlife.org (Acesso em 28/2/2013).
4) De Luca, A.C.; Develey, P.F.; Bencke, G.A. & Goerck, J.M. (orgs.). 2009. Áreas importantes para a conservação das aves no Brasil. Parte II – Amazônia, Cerrado e Pantanal. São Paulo: SAVE Brasil.
5) FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). 2006. Global forest resources assessment 2005. FAO Forestry Paper 147.
6) Giglio, L.; van der Werf, G.R.; Randerson, J.T.; Collatz, G.J., & Kasibhatla, P.S. 2006. Global estimation of burned area using MODIS active fire observations. Atmospheric Chemistry and Physics, 6: 957–974.
7) Gomes, A.L.S.; Marceliano, M.L.V. & Jardim, M.A.G. 2008. Consumo dos frutos de Miconia ciliata (Rich.) DC. (Melastomataceae) por aves na Amazônia Oriental Revista Brasileira de Ornitologia, 16: 383-386.
8) Grantsau, R.K.H. 2010. Guia completo para a identificação das aves do Brasil. Parte II. Vento Verde. 656p.
9) Henriques, L.M.P.; Wunderle, J.; Oren, D.C. & Willig, M.R. 2008. Efeitos da Exploração Madeireira de Baixo Impacto sobre uma Comunidade de Aves de Sub-Bosque na Floresta Nacional do Tapajós, Pará, Brasil. Acta Amazonica, 38:267-289.
10) Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). 2004. Plano de Manejo da Floresta Nacional de Tapajós. Brasília. 580p.
11) ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). 2009. Plano de Manejo da Reserva Biológica do Tapirapé. Encarte 4. 180p.
12) ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). 2010. Plano de Manejo da Floresta Nacional do Trairão. 319p.
13) IUCN (International Union for Conservation of Nature and Natural Resources). 2012. IUCN Red List of Threatened Species. Versão 2012.1. www.iucnredlist.org (Acesso em 22/2/2013).
14) Kirwan, G.M. & Green, G. 2011. Cotingas and Manakins. Christopher Helm, UK.
Pacheco, J.F. & Olmos, F. 2005. Birds of a latitudinal transect in the Tapajós–Xingu inter-fluvium, eastern Brazilian Amazonia. Ararajuba,12:29–46.
15) Pacheco, J.F.; Kirwan, G.M.; Aleixo, A.; Whitney, B. M.; Minns, J.; Zimmer, K.J.; Whittaker, A.; Fonseca, P.S.M.; Lima, M.F.C. & Oren, D.C. 2007. An avifaunal inventory of the CVRD Serra dos Carajás project, Pará, Brazil. Cotinga, 27: 15-30.
16) Portes, C.E.B.; Carneiro, L.S.; Schunck, F.; Silva, M.S.S.; Zimmer, K.J.; Whittaker, A.; Poletto, F.; Silveira, L. F. & Aleixo. A. 2011. Annotated checklist of birds recorded between 1998 and 2009 at nine areas in the Belém area of endemism, with notes on some range extensions and the conservation status of endangered species. Revista Brasileira de Ornitologia, 19:167–184.
17) Snethlage, E. 1914. Catálogo das aves amazônicas contendo todas as especies descriptas e mencionadas até 1913. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, 8: 1–465.
18) Snow, D.W. 2004. Family Pipridae, p.110-169. In: del Hoyo, J.; Elliott, A. & Christie, D. 2004. Handbook of the birds of the world, Vol 9: Cotinga to Pipits and Wagtails. Lynx Edicions. 863p.
19) Vale, M.M.; Cohn-Haft, M.; Bergen, S. & Pimm, S.L. 2008. Effects of future infrastructure development on threat status and occurrence of Amazonian birds. Conservation Biology, 22: 1006–1015.
Fim do conteúdo da página