Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Aves - Sterna hirundinacea Lesson, 1831 - Trinta-réis-de-bico-vermelho
Início do conteúdo da página

Aves - Sterna hirundinacea Lesson, 1831 - Trinta-réis-de-bico-vermelho

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Aves
Aves
Charadriiformes
Sternidae
Sterna hirundinacea Lesson, 1831
Trinta-réis-de-bico-vermelho
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
VU
C1
Justificativa
Sterna hirundinacea ocorre na costa do sul do Peru e no sudeste do Brasil, até Terra do Fogo, incluindo Ilhas Falkland. No inverno austral, estende sua distribuição até o norte do Equador e norte/nordeste do Brasil. No Brasil, reproduz em ilhas costeiras no Rio de Janeiro, Espírito Santo e Santa Catarina. Estima-se que a população reprodutiva brasileira esteja em torno de 2.000 indivíduos. Atualmente, a ocupação humana nas ilhas costeiras e a predação de ninhos por Larus dominicanus são as principais ameaças, agravadas pela explosão populacional de Larus, espécie oportunista que se aproveita de muitas atividades antrópicas. Na década de 80, houve grande pressão nas colônias reprodutivas do Espírito Santo devido à massiva coleta de ovos. Tendo em vista todas essas ameaças, infere-se que haja declínio populacional continuado, em três gerações, de no mínimo 10% da população. Assim sendo, S. hirundinacea foi categorizada como Vulnerável (VU) C1.
Especialistas
Caio Azevedo Marques, Guilherme Renzo Rocha Brito, Leandro Bugoni, Márcio Amorim Efe, Patrícia Pereira Serafini, Pedro Cerqueira Lima
Referências
1) Barbieri, E. & Mendonça, J.T. 2008. Seasonal Abundance and Distribution of Larids at Ilha Comprida (São Paulo State, Brazil). Journal of Coastal Research, 24 (1A): 70–78.
2) Barbieri, E. & Paes, E.T. 2008. The Birds at Ilha Comprida Beach. Biota Neotropical, 8(3): 41-50.
3) BirdLife International. 2014. Species factsheet: Sterna hirundinacea. www.birdlife.org (Acesso em 28/5/2014).
4) Branco, J.O. 2003a. Reprodução das aves marinhas nas ilhas costeiras de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 20(4):619-623.
5) Branco, J.O. 2003b. Reprodução de Sterna hirundinacea Lesson e S. eurygnatha Saunders (Aves, laridae), no litoral de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 20(4):655-659.
6) Campos, F.R.; Campos, F.P. & Faria, P.J. 2007. Trinta-réis (Sternidae) do Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, São Paulo, e notas sobre suas aves. Revista Brasileira de Ornitologia, 15(3):386-394.
7) Coelho, E.P.; Alves, V.S.; Soneghet, M.L.L & Carvalho, F.S. 1990. Levantamento das aves marinhas no percurso Rio • de Janeiro - Bahía (Brasil). Boletim do Instituto Oceanográfico, 38(2):161-167.
8) Efe, M. A. 2004. Aves marinhas das ilhas do Espírito Santo. p.101-118. In: Branco, J.O. (orgs.). Aves marinhas insulares brasileiras: bioecologia e conservação. Editora da Univali. 266p.
9) Faria, P.J.; Campos, F.P.; Branco, J.O.; Musso, C.M.; Morgante, J.S. & Bruford, M.W. 2010. Population structure in the South American tern Sterna hirundinacea in the South Atlantic: two populations with distinct breeding phenologies. Journal of Avian Biology, 41: 378-387.
10) Gochfeld, M. & Burger, J. 1996. Family Sternidae, p.624-667. In: del Hoyo, J.; Elliott, A. & Sargatal, J. Handbook of the birds of the world, Vol 3: Hoatzin to Auks. Lynx Edicions. 821p.
11) Harrington, B.A.; Antas. P.T.Z. & Silva, F. 1986. Northward shorebird migration on the Atlantic coast of southern Brazil. Vida Silvestre Neotropical, 1(1): 45–54.
12) Hogan, R.I.; Prellvitz, L.J. & Vooren, C.M. 2010. Breeding biology of South American Tern Sterna hirundinacea (Charadriiformes: Sternidae) on Deserta Island, southern Brazil. Revista Brasileira de Ornitologia, 18(3): 207-215.
13) Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). 2003. Plano de Manejo da Esec de Carijós.
14) Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). 2004. Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental de Cairuçu. 742p.
15) ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). 2007. Plano de Manejo do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. 670p.

Fim do conteúdo da página