Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Invertebrados Aquáticos - Oreaster reticulatus (Linnaeus, 1758) - Estrela-do-mar
Início do conteúdo da página

Invertebrados Aquáticos - Oreaster reticulatus (Linnaeus, 1758) - Estrela-do-mar

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Invertebrados Aquáticos
Asteroidea
Valvatida
Oreasteridae
Oreaster reticulatus (Linnaeus, 1758)
Estrela-do-mar
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
VU
A2cde
IN MMA 005/2004
Justificativa
Oreaster reticulatus distribui-se entre a Carolina do Norte (EUA) e o sul do Brasil (Santa Catarina), incluindo a Ilha de Trindade e Cabo Verde, de zero à 70 m de profundidade. Como toda espécie de hábito bentônico, é altamente suscetível ao efeito dos poluentes e da pesca de arrasto de fundo. A coleta ilegal e indiscriminada destes animais ainda é realizada em algumas regiões brasileiras. Além disso, existem registros recentes de infestação por patógeno desconhecido. Considerando a distribuição no Brasil, suspeita-se que a espécie tenha sofrido redução de pelo menos 30%. Por estes motivos, a espécie é categorizada como Vulnerável (VU), segundo os critérios A2cde.
Especialistas
Antonia Cecília Zacagnini Amaral - Unicamp, Claudio Gonçalves Tiago - USP, Carlos Renato Rezende Ventura - UFRJ, Ana Claudia dos Santos Brasil - UFRJ, Gisele Yukimi Kawauchi - USP, Walter Ramos Pinto Cerqueira - UEFS, Michela Borges - Unicamp, Paulo Cesar Paiva - UFRJ, Tatiana Menchini Steiner - Unicamp, Luiz Fernando Netto - ICMBio, Harry Boos – CEPSUL/ICMBio.
Referências
BRITES, A. D.; HADEL, V. F. & TIAGO, C. G. 2008. Oreaster reticulatus (Linnaeus, 1758). In: Machado, A. B. M. Drummond, G. M., Paglia, A. P. (Eds) 2008. Livro vermelho da fauna brasileira ameaçada de extinção. 1.ed. - Brasília, DF: MMA; Belo Horizonte, MG : Fundação Biodiversitas. Invertebrados Aquáticos. p 191 – 192.
NETTO, L. F. 2006. Echinodermata do Canal de São Sebastião, São Sebastião (SP). Tese de Mestrado – Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Departamento de Zoologia. 143 p.
Fim do conteúdo da página