Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Invertebrados Aquáticos - Lobatus costatus (Gmelin, 1791)
Início do conteúdo da página

Invertebrados Aquáticos - Lobatus costatus (Gmelin, 1791)

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Invertebrados Aquáticos
Gastropoda
Littorinimorpha
Strombidae
Lobatus costatus (Gmelin, 1791)
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
VU
A2cd
Justificativa
Lobatus costatus é encontrada no Brasil, do Maranhão até São Paulo (Ilhabela), Atol das Rocas, Arquipélago de Abrolhos e Ilha de Trindade. A população está em declínio, em decorrência principalmente de captura. Estima-se que 50% da população de L. costatus está concentrada nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. Foram identificados declínios populacionais e extinções locais na principal área de ocorrência de Lobatus costatus no Nordeste (principalmente Ceará e Rio Grande do Norte). No Rio Grande do Norte, nos últimos 10 anos foi observado declínio populacional considerável na localidade de Pirangi através de mergulhos e informações de pescadores. No CE e RN, a espécie não é mais encontrada entre 0-20m de profundidade, região que abrigava cerca de 80% da população. Suspeita-se uma redução de 80% das populações de Lobatus costatus no CE, RN e PB, região onde a espécie é mais abundante no Brasil. Suspeita-se uma queda populacional de pelo menos 32% no Brasil no período de 10 anos. Apesar de existir a possibilidade de fluxo gênico entre as populações caribenhas e brasileiras, as populações da região do Caribe encontram-se também sob forte ameaça. Portanto, Lobatus costatus foi categorizada como Vulnerável (VU) pelos critérios A2cd.
Especialistas
Aimê Rachel M. Magalhães – UFSC, Bruno B. Batista – UFC, Carlo Magenta Cunha – MZUSP, Carlos Alberto Borzone – UFPR, Cristiane Xerez Barroso – UFC, Cristina de Almeida Rocha-Barreira - UFC/Labomar, Eliane Pintor de Arruda – UFSCAR, Fabio Wiggers, Flávio Dias Passos – Unicamp, Helena Matthews Cascon – UFC, Inês Xavier Martins – UFERSA, Luiz Ricardo L. Simone – MZUSP, Paula Spotorno de Oliveira – FURG, Paulo Ricardo Pezzuto – UNIVALI, Ricardo Silva Absalão – UFRJ, Sônia Barbosa dos Santos – UERJ, Tatiana Silva Leite – UFRN.
Referências
Domaneschi, O. sem data. Estrombídeos Brasileiros Família Strombidae Rafinesque,1815. Informativos da sociedade brasileira de Malacologia.
Farias, M. F.; Rocha-Barreira, C. A. Conchas de moluscos no artesanato cearense. Fortaleza: NAVE/LABOMAR, UFC, 2007. 156p.
Matthews, H. R. 1967. Notas sobre os estrombídeos do Nordeste brasileiro (Mollusca: Gastropoda). Arquivos da Estação de Biologia Marinha da Universidade Federal do Ceará, 7 (1): 23-27.
Matthews, H. R. 1980. Moluscos brasileiros da família Strombidae (Gastropoda, Prosobranchia). Coleção Mossoroense, v. 129, Mossoró-RN.
Matthews-Cascon, H.; Rocha-Barreira, C. A. et al. 2009. Mollusks found inside Octopus (Mollusca, Cephalopoda) pots in the State of Ceará, Northeast Brazil. The Open Marine Biology Journal, 3: 1-5.
Paul, V. J.; Fenical, W. 1986. Chemical defense in tropical Green algae, order Caulerpales. Marine Ecology Progress Series, 34: 157-169.
Rios, E. C. 1994. Seashells of Brazil, Rio Grande: Editora da Fundação Universidade do Rio Grande, 492p.
Rios, E. C. 2009. Compendium of Brazilian sea shells. Rio Grande, RS: Evangraf. 676 p.
Robertson, R. 1959. Observations on the spawn and veligers of conchs (Strombus) in the Bahamas. Proceedings of the Malacological Society, Londres, 33 (4): 164-171.
Shawl, A. L; Davis, M. 2004. Captive breeding behavior of four strombidae conch. J. Shellfish Res. 23 (1): 157.
Simone, L. R. L. Comparative morphological study of representatives of the three families of Stromboidea and the Xenophoroidea (Mollusca, Caenogastropoda), with an assessment of their phylogeny. Arquivos de Zoologia, São Paulo, v. 37, n. 2, p. 141-267, 2005.
Stoner, A. W.; Smith, N. P. 1998. Across-shelf transport of gastropod larvae in the central Bahamas: rapid responses to local wind conditions. Journal of Plankton Research, 20 (1): 1-16.
Villaça, R. 2009. Recifes biológicos. In Pereira, R. C. & A. Soares-Gomes (Orgs.). Biologia Marinha, 2ª ed., cap. 17, p. 399-420.
Wefer, G., Killingley, J. S. 1980. Growth histories of strombid snails from Bermuda recorded in their O-18 and C-13 profiles. Marine Biology, 60:129–135.
Fim do conteúdo da página