Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Invertebrados Aquáticos - Potamolithus troglobius Simone & Miracchiolli, 1994 - Caramujo-de-caverna
Início do conteúdo da página

Invertebrados Aquáticos - Potamolithus troglobius Simone & Miracchiolli, 1994 - Caramujo-de-caverna

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Invertebrados Aquáticos
Gastropoda
Caenogastropoda
Hydrobiidae
Potamolithus troglobius Simone & Miracchiolli, 1994
Caramujo-de-caverna
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
CR
B1 ab(i,iii)
IN MMA 005/2004
Justificativa
Potamolithus troglobius é endêmico das cavernas Areias I e Areias II, localizadas no Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), entre as cidades de Apiaí e Iporanga, em São Paulo. É uma espécie troglóbia, que necessita estritamente da existência da caverna para sua sobrevivência. A EOO foi calculada com base no sistema ao qual a caverna pertence (sistema Areias), resultando em 10km². Esse sistema está ameaçado devido à presença humana no local, que se dá através do turismo, da coleta de água, prospecção de mineradoras e criação de gado. Essas atividades descaracterizam o ecossistema cavernícola, e dessa forma, a espécie encontra-se restrita a uma localização, associada a um declínio continuado da extensão de ocorrência e qualidade do habitat. Portanto, P. troglobius foi categorizada como Criticamente em Perigo – CR pelo critério B1ab(i,iii).
Especialistas
Eduardo Colley – MZUSP, Igor Christo Myahira - UERJ e UNIRIO, Ingrid Heydrich - FZB/RS, Isabela Cristina Brito Gonçalves – UERJ, Lenita Tallarico – UNICAMP, Luiz Eduardo Macedo Lacerda – UERJ, Maria Júlia Martins Silva – UnB, Meire Silva Pena - PUC/MG, Monica Ammon Fernandez – FIOCRUZ, Norma Campos Salgado - MN/UFRJ, Silvana Carvalho Thiengo - Fiocruz/RJ, Sonia Barbosa dos Santos – UERJ, Suzete Rodrigues Gomes – MZUSP.
Referências
Amaral, P.V.; Pedro, E.G. & Pereira Jr., A. 2007. Levantamento preliminar da fauna cavernícola do município de Aurora do Tocantins, Tocantins. In Anais do 29º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Ouro Preto, MG, 7-10 de junho de 2007, Sociedade Brasileira de Espeleologia, pp. 1-6.

Bichuette, M.E. & Trajano, E. 2003. A population study of epigean and subterranean Potamolithus snails from southeast Brazil (Mollusca: Gastropoda: Hydrobiidae). Hydrobiologia. 505:107-117.

Borsanelli, F.A. & Lobo, H.A.S. 2008. Percepções dos visitantes sobre a evolução do espeleoturismo no PETAR face ao fechamento das cavernas turísticas em 2008. In Anais do 32º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Barreiras-BA, 11-14 de julho de 2013, Sociedade Brasileira de Espeleologia, pp. 45-54.

Giatti, L.L. & Rocha, A.A. 2001. Impactos Ambientais do Turismo na Região do PETAR – Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira – São Paulo – Brasil. In: 13th International Congress of Speleology, 4th Speleological Congress of Latin América and Caribbean, 26th Brazilian Congress of Speleology. Brasilia, 2001. Abstracts pp. 711-115.

Lobo, H.A.S. 2006. Caracterização dos impactos ambientais negativos do espeleoturismo e suas possibilidades de manejo. In: Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, 4, 2006, Caxias do Sul. Anais. Caxias do Sul: UCS, Resumos, pp.1-15.

Machado, A.B.M.; Martins, C.S & Drummond, G.M. (eds). 2005. Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, incluindo as listas das espécies quase ameaçadas e deficientes em dados. Belo Horizonte: Fundaçao Biodiversitas, 160 p.

Machado, A.B.M., Drummond, G.M. & Paglia, A.P. (ed.) 2008. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Volume 1. Ministério do Meio Ambiente e Fundação Biodiversitas, Brasília. 512 pp.

Miyahira, IC. 2010. Dinâmica populacional de Melanoides tuberculatus (Müller, 1774) em um riacho impactado da Vila do Abraão, Ilha Grande, Angra dos Reis, RJ, Brasil. Dissertação (Mestrado), UERJ, Rio de Janeiro.
Pinto-da-Rocha, R. 1995. Sinopse da fauna cavernícola do Brasil (1907-1994). Papéis Avulsos de Zoologia 39 (6): 61-173.
Santos, S.B & Simone, L.R.L. 2008. (Verbete) Potamolithus troglobius Simone & Morachioli, 1994. Brasilía: Ministério de Meio Ambiente e Fundação Biodiversitas.
Santos, S.B., Thiengo, S.C., Fernandez, M.A., Miyahira, I.C., Gonçalves, I.C.B., Ximenes, R.F., Mansur, M.C.D., Pereira, D. 2012. Espécies de moluscos límnicos invasores no Brasil In Moluscos límnicos invasores no Brasil: biologia, prevenção, controle, edited by M.C.D. Mansur; C.P.Santos; D. Pereira; I.C.P. Paz; M.L. Zurita, M.T.R.Rodriguez; M.V. Nehrke & P.E.A. Bergonci. e ed 1, 25-49. Porto Alegre: Redes Editora.

SP. 1998. Decreto Estadual Nº 42.838, de 04 de fevereiro de 1998. Declara as Espécies da Fauna Silvestre Ameaçadas de Extinção e as Provavelmente Ameaçadas de Extinção no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. http://www.apetres.org.br/legislacao_news/LEGISLA%C3%87%C3%83O%20ESTADUAL/DECRETOS%20ESTADUAIS/1.998/DECRETO%20ESTADUAL%20N%C2%BA%2042.838%20DE%201998.pdf. Acessed 15 January 2013.

Silva, M. C.P. 2003. Hydrobiidae (Gastropoda, Neotaenioglossa, Rissooidea) da Planície Costeira do Rio Grande do Sul, Brasil. Dissertação (Mestrado), UFRGS, Rio Grande do Sul.

Simone, L.R.L. & N. Moracchioli. 1994. Hydrobiidae (Gastropoda: Hydrobioidea) from the Ribeira valley, S.E. Brazil, with descriptions of two new caverniculous species. Journal of Molluscan Studies. 60(4):445-59.

Taylor, E.L.S. & Ferreira, R.L.L. 2012. Determinants on the structure of an aquatic invertebrate community in a Neotropical limestone cave. Revista Brasileira de Espeleologia 2 (1) :12.

Wilke, T., Davis, G. M., Falniowski, A., Giusti, F., Bodon, M., & Szarowska, M. 2001. Molecular systematics of Hydrobiidae (Mollusca: Gastropoda: Rissooidea): testing monophyly and phylogenetic relationships. Proceedings of the Academy of Natural Sciences of Philadelphia, 151(1), 1-21.

Wilke, T., Haase, M., Hershler, R., Liu, H. P., Misof, B., & Ponder, W. 2013. Pushing short DNA fragments to the limit: phylogenetic relationships of ‘hydrobioid’gastropods (Caenogastropoda: Rissooidea). Molecular phylogenetics and evolution, 66(3), 715-736.
Fim do conteúdo da página