Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Lista de Espécies Ameaçadas > Invertebrados Terrestres - Isoctenus corymbus Polotow, Brescovit & Pellegatti-Franco, 2005
Início do conteúdo da página

Invertebrados Terrestres - Isoctenus corymbus Polotow, Brescovit & Pellegatti-Franco, 2005

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Invertebrados Terrestres
Arachnida
Araneae
Ctenidae
Isoctenus corymbus Polotow, Brescovit & Pellegatti-Franco, 2005
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
CR
B1ab(iii)
Justificativa
Isoctenus corymbus é endêmica do Brasil, conhecida apenas para a Lapa do Angélica, no Parque Estadual de Terra Ronca, São Domingos, Goiás. Amostragens fora da caverna onde a espécie ocorre e outras do entorno não detectaram a espécie. Foi capturada somente na zona afótica, e a sua extensão de ocorrência é estimada em 13 km2. O turismo é intenso na caverna, o que representa a principal ameaça. Assim, considerando apenas uma localização, a espécie foi categorizada como Criticamente em Perigo (CR) pelo critério B1ab(iii).
Especialistas
Adalberto José dos Santos – UFMG, Alexandre Bragio Bonaldo – MPEG, André Marsola Giroti – USP, Antonio Domingos Brescovit - Instituto Butantan, Denis R. Pedroso – MNRJ, Everton Nei Lopes Rodrigues – UFRS, Felipe do Nascimento Andrade de Almeida Rego – UFMA, Gustavo Rodrigo Sanches Ruiz – UFPA, Ivan Luiz Fiorini de Magalhães – UFMG, Jonas Eduardo Gallão – UFSCAR, Leonardo Sousa Carvalho – UFPI, Marcos Ryotaro Hara – USP, Maria Elina Bichuette – UFSCAR, Maysa Fernanda V. R. Souza – UFLA, Ricardo Ott - FZB/RS, Sylvia Lucas - Instituto Butantan, Tiago J. Porto Santos – UFBA, Ubirajara de Oliveira – UFMG.
Referências
Polotow, D., Brescovit, A. D., Pellegatti-Franco, F., 2005. A redescription of Isoctenus coxalis (F.O.P. Cambridge, 1902) comb. nov. and description of I. corymbus, a new species os cave dwelling spider (Araneae, Ctenidae, Cteninae) from the state of Goiás, Brazil. Revista Ibérica de Aracnologia, vol 11: 37 - 42.
Fim do conteúdo da página