Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Fauna Brasileira > Fauna Brasileira > Espécies Ameaçadas - Lista 2014 > Répteis - Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829) - Tartaruga-oliva
Início do conteúdo da página

Répteis - Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829) - Tartaruga-oliva

Classificação Taxonômica
Grupo
Classe:
Ordem:
Família:
Espécie:
Nome Vulgar:
Répteis
Reptilia
Testudines
Cheloniidae
Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829)
Tartaruga-oliva
Categoria de Ameaça
Categoria Validada:
Critério Validado:
Presença Lista Anterior:
EN
A2abcde
IN MMA 003/2003
Justificativa
Lepidochelys olivacea tem distribuição circunglobal. A área prioritária de desova desta espécie no Brasil está localizada entre o litoral sul do estado de Alagoas e o litoral norte da Bahia com maior densidade de desovas no estado de Sergipe. Juvenis e adultos ocorrem em áreas costeiras e oceânicas desde o Rio Grande do Sul até o Pará, e em águas internacionais adjacentes à zona econômica exclusiva do Brasil. Este táxon é altamente migratório. As fêmeas migram das áreas de alimentação e descanso para as áreas de reprodução, em deslocamentos que podem chegar a mais de 1500 km. São carnívoros durante todo o ciclo de vida. A principal ameaça para L. olivacea no passado foi a coleta de ovos e o abate de fêmeas, o que não acontece mais nas áreas prioritárias de reprodução. Desde a implantação do Projeto TAMAR/ICMBio em 1982, o desenvolvimento e a ocupação desordenada da zona costeira e a pesca artesanal e industrial aumentaram vertiginosamente – principalmente nos últimos 10-15 anos. As tartarugas-marinhas são capturadas incidentalmente em praticamente todas as pescarias no Brasil, destacando-se a alta mortalidade de fêmeas adultas que ocorre no entorno das áreas de reprodução. Não existem dados quantitativos comprovados da abundância deste táxon para o período anterior ao levantamento realizado pelo TAMAR entre 1980-82, onde está registrada a interrupção do ciclo de vida desses animais em várias áreas visitadas, devido a um longo histórico de coleta de praticamente todos os ovos e abate de quase todas as fêmeas. Historicamente, a abundância destas populações era enorme. Considera-se que o índice de abundância populacional mais adequado para as tartarugas-marinhas seja o número de ninhos em cada temporada. Desta forma, o aumento no número de ninhos observado nos últimos anos representa um indício de aumento no tamanho populacional. No entanto, apesar de promissora, acredita-se que essa recuperação é insignificante em relação ao tamanho populacional no passado. A espécie apresenta ciclo de vida longo. Estudo mostra para que para o Oceano Pacífico, esta espécie atinge a maturidade sexual entre 10 e 18 anos, o que permite a estimativa de tempo geracional em 20 anos. Porém, para outras regiões não se conhece o período de tempo referente a uma geração, mas é provável que três gerações não ultrapassem 100 anos. Adicionalmente, características da estratégia de vida das tartarugas marinhas como a maturação tardia e ciclo de vida longo tornam a recuperação muito lenta. É possível que os números de desovas observados até o presente não se mantenham no futuro, devido à ação das atuais ameaças sobre o estoque de juvenis a serem recrutados para a população reprodutiva. Além disso, os estudos de tendência de população não cobrem um tempo geracional para este táxon (estimado entre 15 e 36 anos). Portanto, a recuperação do número de adultos ou do tamanho populacional observado só poderá ser considerada consistente quando a série histórica de dados for mais longa, incluindo várias décadas. As informações coletadas no levantamento inicial do TAMAR sugerem um potencial de área de desova e abundância nas áreas remanescentes maior do que a encontrada, indicando desaparecimento de desovas em várias destas áreas e, nas remanescentes, o declínio acentuado das populações. O TAMAR iniciou suas atividades apenas nas áreas remanescentes com concentração ainda significativa de desova. Estudos genéticos comprovam a ocorrência de híbridos: existe alta proporção de hibridismo entre tartarugas da espécie Caretta caretta e Lepidochelys olivacea, não sendo ainda entendidas as causas e implicações deste fato, e seu impacto na diversidade genética e identificação destas espécies. A ocorrência de hibridização interespecífica pode acarretar sérias consequências para as espécies envolvidas e é de suma importância para sua conservação. Além da população brasileira estar isolada, a principal área de ocorrência reprodutiva atual (sul de Alagoas ao norte da Bahia) é bastante reduzida quando comparada à sua área de ocorrência no passado. A morte de fêmeas reprodutivas em frente às praias de desova também contribui para esta categorização. Não há possibilidade de migração de adultos de outras regiões para o Brasil: as tartarugas marinhas são conhecidas por sua alta filopatria (homing), – capacidade das fêmeas de voltarem para se reproduzir na praia onde nasceram, tornando praticamente impossível a recolonização das praias por fêmeas oriundas de outras populações. Mantém-se a categoria Em Perigo (EN) segundo o critério A2abcde, ou seja, ameaçado, de acordo com informações sobre redução da população (CASTILHOS et al., 2011). Para maiores informações sobre a espécie acesse aqui http://www.icmbio.gov.br/revistaeletronica/index.php/BioBR/issue/view/13/showToc
Especialistas
Jaqueline Comin de Castilhos - Fundação Protamar,
César Augusto Coelho - TAMAR/ICMBio,
Jamyle Freitas Argolo - Fundação Protamar,
Erik Allan Pinheiro dos Santos - TAMAR/ICMBio,
Maria Ângela Marcovaldi - TAMAR/ICMBio,
Alexsandro Santana dos Santos - Fundação Protamar,
Milagros Lopez - Fundação Protamar
Referências
Abreu-Grobois, A. & Plotkin, P. 2008. Lepidochelys olivacea. IUCN Red List of Threatened Species. http://www.
iucnredlist.org/apps/redlist/details/11534/0.
Bernardo, J. & Plotkin, P.T. 2007. An Evolutionary Perspective on the Arribada Phenomenon and Reproductive
Behavioral Polymorphism of Olive Ridley Sea Turtles (Lepidochelys olivacea), p.59-87. In: Plotkin, P.T. (Ed.). Biology
and Conservation of Ridley Sea Turtles. Johns Hopkins University Press.
Bjordal, K.A. 1999. Conservation of hawksbill sea turtles: perceptions and realities. Chelonian Conservation and
Biology, 3(2): 174-176.
Castilhos, J.C. & Tiwari, M. 2006. Preliminary data and observations from an increasing olive ridley population in
Sergipe, Brazil. Marine Turtles Newsletter, 113: 6-7.
Castilhos, J. C. de; Coelho, C. A.; Argolo, J. F.; Santos, E. A. P. dos; Marcovaldi, M. A.; Santos, A. S. dos; Lopez, M. Avaliação do estado de conservação da Tartaruga Marinha Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829) no Brasil. Revista Científica Biodiversidade Brasileira, ano 1, nº 1, p. 28-36, 2011. Coluchi, R. 2006. Caracterização da Captura Incidental de Tartarugas Marinhas pela Pesca de Espinhel
Pelágico no Nordeste do Brasil. 66f. Dissertação (Mestrado em Bioecologia Aquática). Universidade Federal do Rio
Grande do Norte.
D’amato, A.F. 1992. Ocorrência de Lepidochelys olivacea (Eschscholtz,1829) (Testudines: Cheloniidae) para o Estado
do Paraná - Brasil. Acta Biologica Leopoldensia, 14(1): 95-97.
Domingo, A.; Sales, G.; Giffoni, B.; Miller, P.; Laporta, M. & Maurutto, G. 2006. Captura incidental de tortugas marinas
con palangre pelagico em el atlantico sur por las flotas de Brasil y Uruguay. Collective Volume of Scientific Papers.
ICCAT, 59(3): 992-1002.
Hamann, M.; Godfrey, M. H.; Seminoff, J. A.; Arthur, K.; Barata, P.C. R.; Bjorndal, K. A.; Bolten, A. B.; Broderick, A.
C.; Campbell, L. M.; Carreras, C.; Casale, P.; Chaloupka, M.; Chan, S. K. F.; Coyne, M. S.; Crowder, L. B.; Diez, C. E.;
Dutton, P. H.; Epperly, S. P.; Fitzsimmons, N. N.; Formia, A.; Girondot, M.; Hays, G. C.; Ijiunn, C.; Kaska, Y.; Lewison, R.;
Mortimer, J. A.; Nichols, W. J.; Reina, R. D.; Shanker, K.; Spotila, J. R.; Tomás, J.; Wallace, B. P.; Work, T. M.; Zbinden,
J. & Godley, B. J. 2010. Global research priorities for sea turtles: informing management and conservation in the 21st
century. Endangered Species Research, 11: 245-269.
IUCN. 2001. IUCN Red List Categories and Criteria: Version 3.1. IUCN Species Survival Commission. IUCN, 30p.
Kalb, H.J. 1999. Behavior and Physiology of Solitary and Arribada Nesting Olive Ridley Sea Turtles
(Lepidochelys olivacea) During the Internesting Period. Tese de Doutorado, Texas A&M University, College
Station, TX. 123p.
Kopitsky, K.; Pitman, R.L. & Plotkin, P. 2000. Investigations on at-sea mating and reproductive status of olive ridleys,
Lepidochelys olivacea, captured in the eastern tropical Pacific. In: Proceedings of the 19th Annual Symposium on
Sea Turtle Biology and Conservation. NOAA. 291p.
Lima, E.H.S.M.; Melo, M.T.D. & Barata, P.C.R. 2003. First Record of olive ridley nesting in the State of Ceará, Brazil.
Marine Turtle Newsletter, 99: 20.
Lutcavage, M.E., Plotkin, P., Witherington, B. & Lutz, P.L. 1997. Human impacts on sea turtle survival, p. 387-409. In:
Lutz, P.L. & Musick, J.A. (Eds.). The Biology of Sea Turtles. CRC Press.
Marcovaldi, G. G. Dei & Albuquerque, J. C. B. 1983. Trabalhos de proteção a desova, avaliação quali-quantitativa
e marcação nas praias de Pirambu (SE), Forte (BA), Comboios (ES) e Ilha da Trindade – Relatório Parcial de
17/01/83 a 19/01/83 – Projeto Tartaruga Marinha-IBDF. Relatório Técnico.
Marcovaldi, M. A. & Marcovaldi, G.G. 1999. Marine turtles of Brazil: the history and structure of Projeto Tamar-Ibama.
Biological Conservation, 91: 35-41.
Marcovaldi, M. A.; Godfrey, M. H. & Mrosovsky, N. 1997. Estimating sex ratios of loggerhead turtles in Brazil from pivotal
incubation durations. Canadian Journal Zoology, 75: 755-770.
Marcovaldi, M. A.; Silva, A.C.C.D.; Gallo, B.M.G.; Baptistote, C.; Lima, E.P.; Bellini, C.; Lima, E.H.S.M.; Castilhos, J.C.;
Thomé, J.C.A.; Moreira, L.M.P. & Sanches, T.M. 2000. Recaptures of tagged turtles from nesting and feeding grounds
protected by Projeto TAMAR-IBAMA, Brasil, p. 164-166. In: Proceedings of the 19th Annual Symposium on Sea
Turtle Biology and Conservation. NOAA. 291p.
Marcovaldi, M. A.; Thomé, J.C.A.; Almeida, A.P.; Lopez, G. G.; Silva, A.C.C.D. & Apoliário, M. 2008. Setellite telemetry
studies in Brazilian nesting areas: preliminary results. In: Proceedings of 27th Annual Symposium on Sea Turtle
Biology and Conservation. NOAA. 262p.
Márquez, M.R. 1990. Sea turtles of the world. An anotated and illustrated catalogue of sea turtle species known to date.
FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). FAO Species Catalogue, vol. 11.
Matos, L. M.; Silva, A. C.; Weber, M. I.; Castilhos, J. C. & Vicente, L. M. 2008. Olive ridley sea turtle internesting
intervals at Pirambu, Brazil, p.242. In: Proceedings of the 27th Annual Symposium on Sea Turtle Biology and
Conservation. NOAA. 262p.
Matos, L.M.N. 2009. Internesting Behavior of Olive Ridley Sea Turtle Lepidochelys olivacea (Eschscholtz,
1829) in Sergipe, Brazil. 46f. Dissertação (Mestrado em Biologia), Universidade de Lisboa.
Meylan, A.B. & Donnely, M. 1999. Status justification for listing the hawksbill turtle (Eretmochelys imbricata) as critically
endangered on the 1996 IUCN Red List of Threatened Animals. Chelonian Conservation and Biology, 3(2): 200-224.
Meylan, A.B. 1995. Estimating population size in sea turtles, p. 135-138. In: Bjorndal, K.A. (Ed.). Biology and
Conservation of Sea Turtles. Smithsonian Institution Press.
Monteiro, D.S. 2004. Encalhes e Interação de Tartarugas Marinhas com a Pesca no Litoral do Rio Grande do
Sul. Monografia (Graduação em Biologia). Fundação Universidade Federal do Rio Grande. 63f.
Morreale, S.J.; Plotkin, P.; Shaver, D. & Kalb, H.J. 2007. Adult migration and habitat utilization – Ridley turtles in their
element, p. 213-229. In: Plotkin, P.T. (Ed.). Biology and Conservation of Ridley Sea Turtles. Johns Hopkins
University Press.
Musick, J.A. & Limpus, C.J. 1997. Habitat utilization and migration in juvenile sea turtles, p 137-164. In: Lutz, P.L. &
Musick, J.A. (Eds.). The Biology of Sea Turtles. CRC Press.
Peres, M.B.; Dias, B.F.S. & Vercillo, U.E. 2011. Avaliação do estado de conservação da fauna brasileira e a lista de
espécies ameaçadas: O que significa? Qual sua importância? Como fazer? Biodiversidade Brasileira, 1: 45-48.
Pinedo, M.C.; Capitoli, R.; Barreto, A.S. & Andrade, A.L.V. 1998. Occurrence and feeding of sea turtles in southern
Brazil, p. 117-118. In: Proceedings of the 16th Annual Symposium on Sea Turtle Biology and Conservation.
NOAA. 158p.
Plotkin, P. T. 1994. Migratory and Reproductive Behavior of the Olive Ridley Turtle Lepidochelys olivacea
(Eschscholtz, 1829), in the Eastern Pacific Ocean. Tese de Doutorado, Texas A&M University, College Station,
TX. 241p.
Plotkin, P.T.; Byles, R.A. & Rostal, D.C. 1995. Owens, D.W. Independent versus socially facilitated oceanic migrations of
the olive ridley, Lepidochelys olivacea. Marine Biology, 122: 137-143.
Poloczanska, E.S.; Limpus, C.J.; Hays, G.C. 2009. Vulnerability of marine turtles to climate change. Advances in
Marine Biology, 56: 151-211.
Reis, E. C.; Soares, L. S.; Vargas, S. M.; Santos, F. R.; Young, R. J.; Bjorndal, K. A.; Bolten, A. B. & Lôbo-Hadju, G. 2010.
Genetic composition, population structure and phylogeography of loggerhead sea turtle: colonization hypothesis for the
Brazilian rookeries. Conservation Genetics, 11: 1467-1477
Reis, E.C. 2008. Caracterização Genética e Filogeografia de Populações de Tartarugas Marinhas da Espécie
Caretta caretta (Linnaeus,1758) no Litoral Brasileiro. Dissertação (Mestrado em Biologia (Biociências Nucleares)).
Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Sales, G.; Giffoni, B.B.; Barata, P.C.R. 2008. Incidental catch of sea turtles by the Brazilian pelagic longline fishery.
Journal of the Marine Biological Association, 88 (4): 853-864.
Silva, A.C.C.D.; Castilhos, J. C.; Batista, J.A.F.; Oliveira, F.L.C.; Weber, M.I.; Santos, E. & Serafini, T.Z. Em preparação.
Post-nesting movements of olive ridleys sea turtles (Lepidochelys olivacea) in Brazil.
Silva, A.C.C.D.; Castilhos, J.C.; Lopez, G.G. & Barata, P.C.R. 2007. Nesting biology and conservation of the olive ridley
sea turtle (Lepidochelys olivacea) in Brazil, 1991/1992 to 2002/2003. Journal of the Marine Biology Association
of the United Kingdom, 87: 1047-1056.
Silva, A.C.C.D.; Castilhos, J.C.; Santos, E.A.P.; Brondízio, L.S. & Bugoni, L. 2010. Efforts to reduce sea turtle bycatch
in the shrimp fishery in Northeastern Brazil through a co-management process. Ocean and Coastal Management,
53: 570-576.
Soto, J.M.R.; Beheregaray, R.C.P. 1997. New records of Lepidochelys olivacea (Eschscholtz, 1829) and Eretmochelys
imbricata (Linnaeus, 1766) in the Southwest Atlantic. Marine Turtle Newsletter, 77: 8-10.
TAMAR 2009. Banco de Dados TAMAR/SITAMAR. Contato: Alexsandro Santos (alex@tamar.org.br).
Wallace, B.P.; Dimatteo, A.D.; Hurley, B.J.; Finkbeiner, E.M.; Bolten, A.B.; Chaloupka, M.Y.; Hutchinson, B.J.; AbreuGrobois,
F.A.; Amorocho, D.; Bjorndal, K.A.; Bourjea, J.; Bowen, B.W.; Dueñas, R.B.; Casale, P.; Choydhury, B.C.;
Costa, A.; Dutton, P.H.; Fallabrino, A.; Girard, A.; Girondont, M.; Godfrey, M.H.; Hamann, M.; López-Mendilaharsu,
M.; Marcovaldi, M.A.; Mortimer, J.A.; Musick, J.A.; Nel, R.; Pilcher, N.J.; Seminoff, J.A.; Troëng, S.; Witherington, B.
& Mast, R.B. 2010. Regional management units for marine turtles: a novel framework for prioritizing conservation and
research across multiple scales. PLoS ONE, 5(12): 1-11.
Zug, G.R. ;Chaloupka, M. & Balazs, G.H. 2006. Age and growth in olive ridley sea turtles (Lepidochelys olivacea) from
the North-central Pacific: a skeletochnological analysis. Marine Ecology, 27: 263-270.
Fim do conteúdo da página