Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Geral > Base de apoio do ICMBio no Paraná é destruída
Início do conteúdo da página

Base de apoio do ICMBio no Paraná é destruída

Publicado: Quinta, 10 de Janeiro de 2019, 15h04
Foi ateado fogo nas instalações localizadas na entrada do Parque Nacional de Ilha Grande, na praia do Paracaí, município de São Jorge do Patrocínio/PR.
Base de apoio

Nesta semana, a base de apoio do Parque Nacional de Ilha Grande, no Paraná, sofreu seu segundo ataque em menos três meses. O primeiro ataque foi no final de 2018, após a Operação Retomada, quando vândalos teriam ateado fogo nas instalações localizadas na entrada do Parque Nacional de Ilha Grande, na praia do Paracaí, município de São Jorge do Patrocínio/PR.

A base, que foi construída pela Prefeitura de São Jorge do Patrocínio em apoio ao Parque, além de ter janelas e portas arrombadas, teve seus móveis, beliches, pias e camas e eletrodomésticos destruídos.

Desde o primeiro ataque, a Polícia Federal abriu inquérito policial para investigar o fato. A suspeita é de que os atentados sejam em retaliação às ações de fiscalização, especialmente aquelas voltadas à demolição de casas nas ilhas do Parque, da APA e em APP.

A destruição de casas de veranistas teve início em 2014 e nos últimos 4 anos, foram demolidas mais de 270 edificações erigidas irregularmente em áreas do Parque Nacional de Ilha Grande e na APA das Ilhas e Várzeas do Rio Paraná. As demolições são realizadas em conjunto com o Instituto Ambiental do Paraná e com o Ministério Público Federal e só no Parque Nacional de Ilha Grande foram contabilizadas mais de cem demolições. São casos em que as construções são utilizadas como casas de veraneio, não sendo habitadas como única moradia ou como meio de promover a pesca profissional. Nos casos em que há constatação de que as edificações estão sendo utilizadas como ponto de apoio para caça, pesca ou outros ilícitos, pode ocorrer a demolição sumária da edificação.

Com o novo atentado as investigações serão intensificadas, inclusive, já há suspeitos. Os trabalhos de fiscalização continuarão ocorrendo dentro da normalidade.

Comunicação ICMBio
(61) 2028-9280
registrado em: ,
Fim do conteúdo da página